Esta matéria faz parte do conjunto de transformações Porto Maravilha
Clique e conheça os detalhes do projeto
30/11/2012 | Infraestrutura | Porto Maravilha

Demolição do Elevado da Perimetral muda trânsito no Centro do Rio

Via começa a ser derrubada em abril de 2013, quando todas as pistas serão interditadas

Quando os 5,5km de extensão do Elevado da Perimetral forem retirados da paisagem, o trânsito no Centro do Rio vai respeitar uma nova lógica de planejamento. Um dos principais símbolos de uma cidade construída somente para o transporte sobre rodas, sua demolição permitirá uma integração ainda maior entre outros modais, como trens, metrô, BRT, o teleférico da Providência e o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT).

Construída entre os anos de 1950 e 1970, a Perimetral será demolida da mesma maneira que foi erguida: por etapas. A primeira delas teve início no mês de outubro, quando os trabalhos para a retirada da rampa de acesso próxima à rua Barão de Tefé, na Saúde, tiveram início. A demolição das pistas que hoje são utilizadas por motoristas, no entanto, começará em abril de 2013, quando o primeiro trecho da chamada via Binária estará pronto e servirá como alternativa aos motoristas.

O trecho que começa a ser derrubado em 2013 vai da rodoviária Novo Rio até a altura da rua Rivadávia Correia. A previsão é que esta fase dos trabalhos termine em meados de 2014. Até o início de 2016 o elevado terá deixado de existir em sua totalidade.

Segundo Alberto Silva, assessor especial da presidência da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto (Cdurp), essa fase dos trabalhos só poderá começar à medida em que os trechos de superfície da via Binária, que correrá paralela à Avenida Rodrigues Alves, e as novas alças de subida e descida do viaduto do Gasômetro, estiverem prontos.

Durante as obras, apenas duas pistas da Avenida Rodrigues Alves, sendo uma em cada sentido, continuarão a ser usadas pelos motoristas. As outras vão funcionar como canteiro de obras para a demolição. Alberto também explica que, diferente do foi planejado inicialmente, não haverá interdição parcial das pistas, e sim total.

- Inicialmente planejávamos interditar apenas um lado da Perimetral, enquanto o outro continuaria a funcionar. Mas esta solução se mostrou complexa pela própria estrutura do elevado. Não tinha como tirar somente meia pista, então o desmonte será feito com interdição total, nos dois sentidos, à medida que as pistas do Binário vão avançando – explica.

Maior parte dos trabalhos será feito à noite

Para minimizar os transtornos para os motoristas, Alberto Silva enfatiza que a maior parte dos trabalhos na Perimetral acontecerá à noite, quando guindastes erguerão as vigas, que serão colocadas em carretas e levadas para terrenos da prefeitura, para posterior reutilização. Durante o dia serão feitos o recorte e retirada do asfalto do elevado.

A grande complexidade do trabalho, no entanto, não é a retirada do elevado em si, e sim a logística para manter a cidade funcionando durante a obra. Além da demolição da Perimetral, outras obras estarão acontecendo ao mesmo tempo: a construção da Via Binária, do túnel da via expressa e a urbanização da própria Rodrigues Alves.

- Infelizmente, durante este período, o motorista vai enfrentar problemas. Todo um planejamento será feito para que isto aconteça da melhor maneira possível. Por isso, este será um bom momento para colocar em prática propostas como transporte solidário, com o objetivo de diminuir o número de veículos funcionando – explica Alberto Silva.

Com o fim dos trabalhos, previstos para o início de 2016, o resultado será uma região portuária com trânsito integrado, maior capacidade para a circulação de veículos e maior fluidez no trânsito.

Notícia Anterior
Por dentro do Binário
Próxima Notícia
Seminário debate o legado para o Rio de Janeiro após os Jogos de 2016