Esta matéria faz parte do conjunto de transformações Instalações Olímpicas
Clique e conheça os detalhes do projeto
07/03/2012 | Instalações Olímpicas

Rio apresenta projeto do campo de golfe olímpico a membros do COI

Área do campo tem quase 1,2 milhão de m² e fica localizada entre a Lagoa de Marapendi e a Avenida das Américas. Prefeitura administrará espaço por 25 anos, por meio de parceria público-privada, sem custos para os cofres do Município

Em ritmo acelerado de preparação para as Olimpíadas de 2016, o Rio conheceu na tarde desta quarta-feira mais uma das futuras instalações dos jogos: o campo de golfe onde vão acontecer as competições. O projeto é resultado de um concurso público promovido pelo Comitê Organizador Rio 2016, que teve como vencedor o escritório norte-americano Hanse Golf Course Design.

Membros do Comitê Olímpico Internacional também visitaram o parque dos atletas, que passa a funcionar como parque público. Durante o encontro, estudantes da rede municipal de ensino testaram os espaços

Os projetos de oito escritórios de arquitetura foram avaliados durante seis meses por um júri composto pelo presidente da Federação Internacional de Golfe, Peter Dawson, Pelo presidente do Rio 2016, Carlos Arthur Nuzmann, pelo assessor da Presidência da Empresa Olímpica Municipal (EOM), Augusto Ivan e pelo integrante do Comitê Consultivo de Golfe do Rio 2016 Armínio Fraga.

– Há 112 anos o golfe não está nos Jogos Olímpicos. E é muito importante para a gente que o esporte tenha sido escolhido para voltar justamente nas Olimpíadas do Rio – lembrou o Carlos Arthur Nuzmann, presidente do Comitê Rio 2016.

O desenho da equipe do arquiteto Gilbert S. Hanse, eleito o arquiteto do ano de 2009 pela revista Golf Magazine, foi apresentado pelo prefeito Eduardo Paes e pelo presidente do comitê organizador dos jogos, Carlos Arthur Nuzmann, no próprio terreno onde o campo será construído, na Reserva de Marapendi, na Barra da Tijuca.

A cerimônia foi acompanhada pela presidente da Comissão de Coordenação do COI para os Jogos de 2016, Nawal El Moutawakel, e pelo diretor de Jogos Olímpicos do COI, Gilbert Felli, que estão na cidade pela sétima vez para avaliar o andamento dos projetos voltados para o evento.

A construção, prevista para acontecer numa área de quase 1,2 milhão de m² entre a Lagoa de Marapendi e a Avenida das Américas – ao lado do condomínio Riserva Uno -, terá custo de R$ 61 milhões, a serem pagos por uma parceria entre o empresário Pasquale Mauro, dono do terreno, e a construtora RJZ Cyrela, responsável pelas obras, que ainda não têm data para começar.

– Dificilmente a gente vai conseguir popularizar o golfe (no Brasil) a partir dessas Olimpíadas, acho que esse é o início de um processo. Mas o golfe é um atrativo e um importante fato para a tomada de decisão de turistas que pretendem vir a cidade, de homens de negócio que estarão aqui. Portanto, o Rio ganha como legado um senhor ativo sobre o ponto de vista de interesse turístico para a cidade – explicou o prefeito.

A Prefeitura vai administrar a área por 25 anos, por meio de uma parceria público-privada, sem custos para os cofres do Município.

Ainda durante a tarde, os membros do COI visitaram o parque dos atletas, que passa a funcionar como parque público. A área inaugurada em agosto do ano passado e que abrigou o festival rock in rio, em setembro de dois mil e onze, recebeu quadras e campos de futebol, além de banheiros públicos e áreas para recreação.

Durante a cerimônia de abertura, estudantes da rede municipal de ensino testavam os espaços, com brincadeiras, partidas de vôlei e futebol e rodas de capoeira. O funcionamento do parque, que será administrado pela Riotur, vai acontecer de terça a domingo, entre seis da manhã e dez da noite.

Notícia Anterior
Pensão faz sucesso entre operários na Providência
Próxima Notícia
Mulheres olímpicas constróem um novo Rio