Esta matéria faz parte do conjunto de transformações Instalações Olímpicas
Clique e conheça os detalhes do projeto
30/01/2012 | Instalações Olímpicas

Muito mais Maracanã

Obras de revitalização do entorno do estádio que vai sediar final da Copa e abertura das Olimpíadas incluem um redesenho paisagístico nas ruas próximas, além de integração do espaço urbano dos dois lados da linha férrea

As passarelas e largos desenhados pelo escritório Burle Marx: integrando esporte, urbanização e paisagismo

Calçadões, ciclovias e passarelas-parque interligando os dois lados da linha férrea vão reurbanizar a área em volta do Maracanã, ajudando-o a figurar entre não só as maiores, mas as mais bem preparadas arenas do mundo. E o primeiro passo foi dado com o lançamento das obras no entorno do Estádio Mário Filho, que deverão alterar significativamente a infraestrutura local, incluindo a configuração do trânsito.

A revitalização do Maracanã, palco da final da Copa do Mundo de 2014 e da abertura das Olimpíadas de 2016, inclui a construção de duas amplas passarelas, que deverão facilitar escoamento de torcedores e o acesso às áreas próximas à Quinta da Boa Vista, onde estará boa parte dos estacionamentos.

– Essas linhas de metrô e trem cortaram essa região do bairro, então nós vamos fazer essa reintegração com passarelas generosas, com oito metros de largura – detalha o secretário de Obras da Prefeitura do Rio, Alexandre Pinto.

Com custo de R$ 109,5 milhões e previsão de 14 meses de duração, as obras ao redor do estádio vão beneficiar as ruas Eurico Rabelo, Professor Manuel de Abreu, Mata Machado e Visconde de Niterói, além das avenidas Maracanã e Radial Oeste – todas importantes vias da Zona Norte.

O projeto, feito pelo escritório do renomado paisagista Roberto Burle Marx, inclui a construção de uma área de recreação, com mesa de jogos, bicicletário e equipamentos para exercícios, além de dois mil metros quadrados de pavimentação e iluminação em LED.

– Junto com essa grande reforma que os governos estadual e municipal estão fazendo, e também da integração das estações do Metrô e da Supervia, que acontecerá mais adiante, eu acredito que não vamos ficar devendo a nenhum grande estádio europeu – afirma o secretário.

As obras acontecem simultaneamente com as intervenções para conter os alagamentos da região da Praça da Bandeira, com a construção do primeiro dos quatro reservatórios de água pluvial que vão acabar com as enchentes da Bacia do Canal do Mangue. De acordo com a Prefeitura, um trecho do Rio Trapicheiros será canalizado, entre as ruas Ceará e Francisco Eugênio.

As obras na Bacia do Canal do Mangue serão realizadas com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (o PAC 2) a um custo de R$ 292 milhões e deverão estar concluídas em um prazo de 24 meses. As obras de infraestrutura do entorno do estádio deverão ficar prontas dois meses antes da Copa das Confederações, em 2013.

Notícia Anterior
Túnel da Grota Funda: um modelo de tecnologia
Próxima Notícia
Um paraíso natural no coração do subúrbio