Esta matéria faz parte do conjunto de transformações Porto Maravilha
Clique e conheça os detalhes do projeto
04/10/2012 | Infraestrutura | Porto Maravilha

Novas ruas mudam a cara da Zona Portuária

Pedestres são privilegiados com calçadas largas e fim dos alagamentos da região, após 100 anos sem obras de drenagem

Demorou 100 anos, mas valeu a pena. A nova rede de drenagem da Zona Portuária – enfim, construída por conta das obras do Porto Maravilha – ampliou em nada menos que 11 vezes o antigo sistema que imperava há um século na região. A primeira fase das intervenções, iniciadas em 2009 e concluídas agora, já dão um aperitivo da revolução arquitetônica da região: foram 24 ruas totalmente remodeladas e cercadas de largas calçadas nos bairros Gamboa, Saúde, Santo Cristo e Morro da Conceição.

Foram oito vias reurbanizadas na parte baixa e outras 16 na comunidade do Morro da Conceição. Em alguns trechos, como na Rua Sacadura Cabral, as calçadas chegam a ter a mesma largura das pistas dos carros – um privilégio para pedestres, moradores e turistas que visitaram a região que agora faz parte de um circuito cultural e histórico.

“O projeto de reurbanização de toda a Zona Portuária tem como objetivo privilegiar os pedestres e o transporte público de qualidade. Por isso teremos os bondes, ou VLTs, com ar-condicionado e tecnologia de ponta”, explica o gerente de projetos especiais do Porto Maravilha, Rogério Riscado.

Um dos pontos altos da primeira etapa de intervenções, porém, fica escondido sob a terra. As novas galerias subterrâneas, se colocadas em linha reta, somariam 46,1 km – número equivalente à distância, pela orla, do Aeroporto Santos Dummont até o Pontal, no Recreio dos Bandeirantes. A obra aumentou de dois para oito o número de saídas de água para a Baía de Guanabara – tudo isso, com galerias de 3,20m por 1,80 – 11 vezes maiores do que as antigas galerias, de 80 centímetros, colocadas no local há um século.

“Encontramos, inclusive, muitas delas congestionadas, e aí o alagamento era mesmo inevitável. As novas galerias são tão grandes que cabem até uma pessoa dentro dela”, conta Riscado.

Foram feitos também o redimensionamento e troca de redes de esgoto, água pluvial, potável, telecomunicações e iluminação. O investimento de R$ 139 milhões é todo do município e, na segunda fase, serão mais R$ 8 bilhões – desta vez, todo com recursos privados. Na chamada “parte baixa”, as melhorias foram executadas na Avenida Venezuela, Rua Coelho e Castro, Rua Argemiro Bulcão, Rua Camerino, Rua Edgard Gordilho, Avenida Barão de Tefé, Rua Sacadura Cabral e Avenida Rodrigues Alves. No Morro da Conceição, as vias beneficiadas são: Ladeira Pedro Antônio, Caminho do Valongo, Ladeira do Valongo, Travessa Joaquim Soares, Travessa Mato Grosso, Ladeira João Homem, Travessa do Sereno, Travessa Coronel Julião, Beco das Escadinhas, Rua Eduardo Jansen, Rua Jogo da Bola, Rua Mato Grosso, Rua do Escorrega, São Francisco da Prainha e os becos João Inácio e João José.

Notícia Anterior
Guardando o lixo longe da paisagem
Próxima Notícia
Uma ponte exclusiva para o BRT